Pular para o conteúdo principal
logotipo TMA Brasil
logotipo TMA Brasil
lupa

Novo lote de torres de celular da Oi deverá ser vendido no 1º trimestre de 2020

Capa

A Oi espera concluir até o fim de março a venda de um novo lote de torres de telefonia celular, segundo apurou o Valor. A operação envolveria a alienação de pelo menos 700 torres, o que renderia aproximadamente R$ 700 milhões à companhia, pelos cálculos de um gestor de fundos de investimento ouvido sob condição de anonimato.
Inicialmente prevista para acontecer no quarto trimestre de 2020, a alienação das torres é parte do plano estratégico divulgado em julho do ano passado. À época, a Oi estimou entre R$ 6,5 bilhões e R$ 7,5 bilhões a receita proveniente da venda de ativos não essenciais. O pacote inclui a venda (concluída na semana passada) da participação da Oi na operadora móvel angolana Unitel. E, também, a alienação de ativos imobiliários e de data centers. 
“O processo de venda das torres está sendo conduzido pelo assessor [financeiro], com prazo de conclusão esperado até o final do primeiro trimestre”, disse uma segunda fonte, próxima à Oi, referindo-se ao Bank of America Merrill Lynch. A Oi anunciou em janeiro de 2019 a contratação da instituição financeira para “prospectar e estruturar operações que envolvam a monetização de ativos non core e oportunidades de M&A [fusões e aquisições].”
Dentro dessa lógica, a venda da operação de telefonia móvel da Oi — discutida por membros do conselho de administração com Telefônica Vivo e TIM Brasil em 2019 — poderia render mais R$ 12 bilhões a R$ 15 bilhões, segundo análise do Bradesco BBI divulgada na semana passada, e até R$ 18 bilhões na visão do BTG Pactual. 
Para um gestor de fundos ouvido pelo Valor, a venda da fatia de 25% que a Oi detinha na Unitel por US$ 1 bilhão vai ajudar a “destravar” outros negócios, com valores mais favoráveis à companhia em recuperação judicial. “A empresa não está mais tão desesperada e, logo, tem mais poder de barganha nas negociações”, justifica a fonte. Além dos recursos oriundos da alienação da participação na operadora angolana, a Oi contará com um empréstimo-ponte no valor de até R$ 2,5 bilhões. A companhia terminou novembro com R$ 2,23 bilhões em caixa, o menor nível desde o início da recuperação judicial, em junho de 2016.
Especificamente com relação às torres de telefonia celular colocadas à venda, outra fonte do mercado financeiro calcula que o número poderia estar perto de 800. A fonte prefere não arriscar quanto a transação poderia render: “Muito difícil dizer, há um intervalo que pode variar, mais do que no caso de outros tipos de ativos”, diz. “Como há um aluguel pago de volta pela Oi para o dono das torres, pode-se aumentar o valor da venda concomitantemente ao aumento do valor do aluguel.” 
 28/01/2020

Autor(a)
Por Rodrigo Carro — Rio

Newsletter