Por que o Brasil pode, entre os emergentes, ser o país menos vulnerável?

O Brasil atualmente passa por uma das maiores recessões de sua história, motivada pela corrupção, bem como políticas econômicas intervencionistas totalmente equivocadas, como, por exemplo, o estímulo à população ao consumo por intermédio de endividamento ao invés do aumento de renda.

Considerando que o povo brasileiro é culturalmente um dos mais consumistas do mundo, ou seja, gasta toda a sua renda em bens de consumo, não gerando reversas financeiras familiares e, consequentemente, fazendo com que não haja investimentos internos na economia, especificamente para financiamento as empresas que necessitam de capital de terceiros.

Soma-se a esse fator, a necessidade do governo em pagar suas dívidas, tendo em vista que seus gastos são maiores que suas receitas, assim sendo, as escassas reservas financeiras familiares são destinadas ao pagamento dessas dívidas, via emissão de títulos públicos ou por aumento da carga tributária.

Com isso, a captação de capital estrangeiro é a forma de obter-se maiores investimentos na economia brasileira, o que torna o país vulnerável a eventuais crises econômicas mundiais.

Segundo a pesquisa realizada pelo Banco Morgan Stanley1, em 2015, o Brasil, bem como os outros países citados, é considerado muito vulnerável economicamente. Os motivos levantados pela pesquisa são, exatamente, a corrupção contínua, os altos gastos públicos, frequentes crises internas, rebaixamento de “rating”, característica da população em gastar toda a sua renda e falta de reformas estruturais internas. Somado aos fatores externos, que são, principalmente a alta do dólar e a dependência frequente de capital advindo de investidores estrangeiros.

Contudo, apesar de todos os desequilíbrios econômicos apontados, o Brasil, dentre os países que compõem os BRICS, ainda é o que possui maior potencial de desenvolvimento econômico, conforme será exposto a seguir.

As reservas internacionais do Brasil que, em 2002 eram de US$ 37,7 bilhões, aumentaram, até 2015, para US$ 370 bilhões2 . Essas reservas internacionais servem como garantia de que o Brasil conseguirá honrar os compromissos com seus credores nacionais e internacionais, em casos de oscilações econômicas negativas internas ou externas.

Essas reservas agregam segurança econômica para a captação de investimentos estrangeiros no Brasil, graças a uma garantia financeira de adimplência, caso ocorra desequilíbrio econômico nacional ou internacional. O que também é de suma importância para as agências de classificação de risco, na avaliação de capacidade de pagamento do Brasil.

Quanto à estabilidade política do Brasil que, mesmo com a corrupção recorrente e a falta de reformas estruturais necessárias, quando comparado aos demais países emergentes, apresenta grau de estabilidade maior. O estudo realizado pela consultoria de risco Alyson Warhurst3 apresentou que, embora esses países sejam vulneráveis à turbulência econômica global, o Brasil é o menos vulnerável entre os países do BRICS, devido à sua estabilidade estrutural política, forte governança, bem como condições climáticas mais favoráveis.

Segundo dados do IBGE4, em relação ao contingente populacional dos países do BRICS, o Brasil possui, atualmente, o maior percentual de população economicamente ativa, em aproximadamente 65,5%, comparado à 56,6% da China, 52,6% da Rússia, 39,5% da Índia e 37,6% da África do Sul5.

Assim, constata-se que o Brasil possui maiores fatores de produção no que tange à mão de obra braçal e intelectual, quando comparado aos demais países emergentes. Constata-se que este contingente populacional gira a economia do país através da geração de renda, dispêndios em bens de consumo e possíveis investimentos nas empresas que atuam no território brasileiro.

Outro ponto em que o Brasil se destaca entre os países do BRICS é quanto aos recursos naturais disponíveis. Hoje o território brasileiro é composto de quase 60% de florestas, o que gera cerca de 600 mil empregos diretos nas indústrias e cerca de 4,2 milhões de postos de trabalho indiretos. Mas sua representatividade mundial é extremamente pequena, totalizando cerca de 3% do mercado mundial de recursos florestais6.

Ademais, o Brasil possui a energia eólica mais barata do mundo, segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), foi realizado estudo acerca do fator produtividade do setor, os níveis no Brasil chegam até 40% a mais que a produtividade na Europa e Estados Unidos, tornando-se hoje a segunda fonte de energia mais barata do país, apenas atrás da energia hídrica7. O que, segundo o estudo, pode sustentar o crescimento do país em demanda de energia elétrica por muitos anos.

Diante de todos os fatos expostos, evidencia-se que o Brasil, apesar de enfrentar uma de suas piores crises da história; corrupção recorrente; inflações instáveis; necessidade de reformas estruturais como, por exemplo, a da previdência social; etc., possui vários fatores positivos que, associados às decisões econômicas favoráveis e à utilização de todos os recursos que dispõe, fará com que a sua posição economia mundial seja alavancada nos próximos anos, tendo em vista as vantagens que possui em comparação aos demais países integrantes do BRICS.


1 - Morgan Stanley aponta Brasil como o emergente mais vulnerável. Disponível em: <http://istoe.com.br/408564_MORGAN+STANLEY+APONTA+BRASIL+COMO+O+EMERGENTE.... Acessado em 07 de setembro de 2017.

2 - Reservas internacionais de US$ 370 bilhões ajudam a proteger Brasil da crise. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2015/12/reserva-internaciona.... Acessado em 07 de setembro de 2017.

3 - Brasil é o menos vulnerável dos Brics, conclui estudo. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/economia/brasil-o-menos-vulneravel-dos-brics-co.... Acessado em 09 de setembro de 2017.

4 - Disponível em: <http://ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_... hist.shtm>. Acessado em 13 de setembro de 2017.

5 - Summary of Economically Active Population on BRICS Countries. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2014-07/ibge-divulga-na.... http://www.brics.ibge.gov.br/publicacao.html> e <http://www.gks.ru/free_doc/doc_2015/BRICS_ENG.pdf>. Acessos em 07 de setembro de 2017.

6 - Rico em recursos naturais, Brasil subaproveita indústria florestal. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/opiniao/coluna/2016/10/20/rico-em-recursos-n.... Acessado em 09 de setembro de 2017.

7 - Energia eólica brasileira é a mais barata do mundo. Disponível em: <http://epocanegocios.globo.com/Caminhos-para-o-futuro/Energia/noticia/20... -da-abeeolica.html>. Acessado em 09 de setembro de 2017.


 

Autor: 
Mateus Boeira Garcia
Informações do autor: 
Advogado na Zavagna Gralha Advogados.
Tipo: 
Case: 
Não